Notícias de Última Hora
Home / Musicais / Musical inédito conta a trajetória do grupo Novos Baianos

Musical inédito conta a trajetória do grupo Novos Baianos

No turbulento final dos anos 60, os Novos Baianos iniciaram uma trajetória que modificaria para sempre a história da música brasileira. A original mistura proposta por Baby Consuelo, Galvão, Moraes Moreira, Paulinho Boca de Cantor e Pepeu Gomes impulsionou uma revolução rítmica e comportamental, marcada por liberdade, poesia e coletividade. Esta saga tão brasileira quanto improvável é a inspiração para ‘Novos Baianos’, um musical inédito, criado por Lúcio Mauro Filho (texto) e Otavio Muller (direção) a partir das muitas histórias e composições do lendário grupo. Herdeiros legítimos deste legado, Davi Moraes e Pedro Baby assinam a direção musical. O espetáculo estreia no dia 8 de novembro no Sesc Vila Mariana (Teatro Antunes Filho). A produção é da Dueto e o espetáculo conta com a colaboração artística de Monique Gardenberg.

Após concorridas audições, 12 artistas foram selecionados, entre atores, músicos e compositores. Em cena, Barbara Ferr, Beiço, Clara Buarque, Felipe El, Filipe Pascual, Gustavo Pereira, João Moreira, João Vitor Nascimento, Julia Mestre, Mariana Jascalevich, Miguel Freitas e Ravel Andrade cantam, tocam todos os instrumentos e dão vida aos integrantes da banda e outros personagens fundamentais para a história, como João Gilberto, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Tom Zé.

O repertório do grupo emoldura as histórias, com sucessos atemporais como ‘Mistério do Planeta’, ‘Preta Pretinha’, ‘Brasil Pandeiro’, ‘A Menina Dança’, ‘Tinindo Trincando’, ‘Brasileirinho’ e ‘Dê um Rolê’.

‘Se o Tropicalismo abriu corações e mentes da juventude do Brasil, os Novos Baianos beberam na fonte e foram além: inventaram o rock brasileiro, aquele que mistura guitarra com pandeiro e apresenta ao Tio Sam o tamborim’, reflete Lúcio Mauro Filho. ‘Tudo que veio deles foi original e brasileiro. Não existe nada mais teatral que uma gente que sai pelo mundo, fazendo música de porta em porta. Eles coloriram o mundo por onde passaram’, completa Otavio Muller.

Amigos de longa data e parceiros em muitos projetos profissionais, Lúcio e Otavio estão envolvidos com o musical há mais de cinco anos. Desde então, todo o processo está seguindo a cartilha proposta pelos homenageados, ao apostar em um exercício de criação baseado na coletividade. Ao longo dos ensaios, o texto foi sendo modificado com a colaboração do elenco e da equipe.

Na mesma linha, a direção de arte (cenografia e figurinos) foi desenvolvida por um coletivo, o premiado Opavivará!, que desenvolve ações em que propõe inversões dos modos de ocupação do espaço urbano, através de dispositivos que proporcionam experiências coletivas. Desde sua criação, em 2005, o grupo vem participando ativamente no panorama das artes contemporâneas e já teve seus trabalhos exibidos ao redor do mundo. Recentemente, participaram de mostras em Liverpool, Paris, Lisboa, Barcelona, Viena, Montreal, Nova York e Frankfurt.

‘Vou mostrando como sou / E vou sendo como posso’

O texto parte do encontro entre Moraes Moreira e Galvão, que se tornam amigos na pensão de Dona Maritó, local onde moravam na Salvador dos anos 60. Da vivência como músicos da noite, eles encontram Paulinho Boca de Cantor e começam a colecionar uma legião de adoradores, que insistem para que eles montem uma banda. É quando se juntam a Os Minos, uma banda pronta com Jorginho, Baixinho, Dadi e a virtuosa guitarra de Pepeu Gomes, discípulo de Jimmy Hendrix. É Pepeu quem traz a namorada, Baby Consuelo, para o grupo.

Desde os primeiros shows, o espírito coletivo e descontraído dá as cartas. Eles tocam de praça em praça, de casa em casa e dividem comida, dinheiro e experiências. Após sair da Bahia e se apresentar em alguns festivais, a banda faz do Rio de Janeiro a sua morada, divide um mesmo apartamento e, pouco tempo depois, aluga um sítio em Jacarepaguá, Zona Norte da cidade, onde é criado aquele que é considerado um dos maiores álbuns da música brasileira de todos os tempos, ‘Acabou Chorare’ (1972).

O título do disco simboliza o desejo de colocar fim na tristeza que imperava nos Anos de Chumbo. ‘Em meio à Ditadura, eles foram subversivos através do verso e pela mistura do rock americano com as melodias que moldaram a música popular brasileira, como o samba, o choro, a guitarra portuguesa e o batuque africano’, analisa Lúcio Mauro Filho, que ressalta a importância de falar novamente sobre isso no atual momento.

Para ele, poder cantar e contar Novos Baianos em um mundo polarizado e inflamado de ódio é resgatar um discurso afetuoso e solidário. ‘Eles viveram uma utopia, tomavam decisões em conjunto e dividiam os ganhos. Além de tudo, criaram suas famílias e tiveram filhos juntos’, conta o autor, que teve alguns encontros com os homenageados, em inesquecíveis entrevistas e conversas. 

Após encerrar as atividades em 1979, os Novos Baianos fizeram turnês comemorativas e se reencontraram em 1997 e, recentemente, com a gravação de um disco ao vivo em 2015. Referência indispensável para toda a geração que viria depois, o cancioneiro do grupo foi regravado por grandes artistas da música brasileira, mantendo ainda mais acesa a chama daqueles dias de paz e amor.

‘Os Novos Baianos poderiam ser uma versão brasileira do ‘Hair’. A diferença talvez esteja no que tem de vida vivida nisso aí, pois os personagens da história são reais e continuam produzindo e encantando plateias por aí, há 50 anos’, resume Otavio Muller.

NOVOS BAIANOS

Texto de Lúcio Mauro Filho. Direção: Otavio Muller

Direção musical: Davi Moraes e Pedro Baby

Colaboração artística: Monique Gardenberg

Direção de arte, cenografia e figurino: OPAVIVARÁ

Com colaboração de cenografia de Paula Dager e figurino de Paula Stroher

Assistente de Direção e Dramaturgia: Fabricio Branco

Iluminação: Tabatta Martins

Coreografia: Johayne Hildefonso e Gisele Bastos

Visagismo: Rafael Fernandez
Direção de Produção: Clarice Philigret

Assistente de Produção: Fabricio Branco

Produção: Leandro Lepagesse

Produção Executiva: Ciça Castro Neves

Operação de Som: Marcelo Bezerra

Comunicação: Adriana Vieira

Mídia Digital: Fernanda Bravo, Jacidio Junior e Raphael Goes

Design gráfico: Tommy Kenny

Direção de Palco: Márcio Mésk (Blau)

Contrarregras: Cris Lisboa e Luan Lima        

Consultoria Técnica: Andreas Schmidt

Realização: Dueto Produções

ELENCO

Barbara Ferr
Beiço

Clara Buarque 
Felipe El
Filipe Pascual

Gustavo Pereira
João Moreira
João Vitor Nascimento

Julia Mestre 
Mariana Jascalevich
Miguel Freitas
Ravel Andrade

Estreia dia 8 de novembro de 2019. Sexta, às 21h.

Sesc Vila Mariana

Temporada: 9/11 a 15/12/2019

Quinta a sábado, às 21h. Domingo, às 18h

Local: Teatro Antunes Filho

Duração: 90 minutos

Ingressos à venda em:

sescsp.org.br/vilamariana a partir de 29/10, a partir das 12h

unidades do Sesc a partir de 30/10, a partir das 17h30

Valores:

R$ 15,00 credencial plena

R$ 25,00 meia

R$ 50,00 inteira

Recomendação etária 14 anos

Sesc Vila Mariana | Informações

Horário de funcionamento da Unidade:

Terça a sexta, das 7h às 21h30; sábado, das 9h às 21h; e domingo e

feriado, das 9h às 18h30

Central de Atendimento:

Terça a sexta, das 9h às 20h30; sábado, domingo e feriado, das 10h às

18h30

Estacionamento: R$ 5,50 a primeira hora + R$ 2,00 a hora adicional

(Credencial Plena: trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo

matriculado no Sesc e dependentes). R$ 12 a primeira hora + R$ 3,00 a

hora adicional (outros). 111 vagas.

O estacionamento conta com bicicletário gratuito. 10 vagas.

Sobre Padrão do site

Avatar

Veja Também

“Grandes Encontros da MPB” no Teatro Raul Cortez

Se tem algo do qual todos nós podemos nos orgulhar é da Música Popular Brasileira, …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.