Notícias de Última Hora
Home / São Paulo / Galo Índio, solo de Rodolfo Amorim segue em temporada na Vila Maria Zélia

Galo Índio, solo de Rodolfo Amorim segue em temporada na Vila Maria Zélia

Espetáculo solo de Rodolfo Amorim, do Grupo XIX de Teatro, com a direção de Antônio JanuzelliGalo Índio segue em temporada na Vila Maria Zéliaaté  11 de novembro, com sessões aos sábados, 20h e domingo, às 19h.

O solo mostra um órfão, que tenta retratar o seu pai ausente a partir de poucos fragmentos que se alojaram em sua memória. Na busca pelos contornos desse pai, sua própria infância emerge de sua memória e demonstra o quanto esse vazio foi determinante na construção da sua forma de ver e interagir com a vida. Um encontro entre pai e filho. Entre um adulto e sua criança.

Galo Índio remonta as lembranças do ator e autor Rodolfo Amorim em relação a morte de seu pai e o silêncio criado em torno desse fato na sua infância em Sorocaba. O ator  pesquisou sobre a memória e as possibilidades de exploração da multiplicidade e transformações de uma narrativa. Entrevistas, relatos de pessoas próximas desse acontecimento e documentos, foram os materiais provocadores na construção desse retrato.

Nesse jogo de rememoração, incomoda mais ao órfão sua necessidade de pensar o pai, feita de dificuldades, imprecisões e faltas, do que propriamente a morte em si. Sua forma de enterrar o pai e compreender sua partida é desvelar as palavras que o encobrem. Assim, na tentativa de traduzi-lo, o confessor nos leva ao mundo invisível de sua história: à medida que precisa aliviar o fardo de sua criança e desse pai.

“Pensamos um procedimento que investigue e discuta não só o ato de estar só em cena, mas sobretudo, de utilizar a própria história do ator/narrador, em seus limites de interprete e confessor. Fazendo da fricção entre um fragmento do real e o imaginado, um meio de encontrar ecos com o público em sua materialidade cênica,” explica Rodolfo Amorim.

Em uma trajetória pelo passado com ecos no presente, a peça reconstitui a personalidade de um pai conservado e inventado no silêncio dos anos. A busca de detalhes para esse retrato, somada à dificuldade de traduzir em palavras as lembranças que restam de alguém que se foi, resulta nessa peça autobiográfica sobre a perda de um pai, conectada com as atuais formas de autorrepresentação e autoficcionalização.

 

Ficha técnica:

Atuação e texto: Rodolfo Amorim. Direção: Antônio Januzelli (Janô). Direção de Arte: Renato Bolelli Rebouças. Iluminação: Beto de Faria.

Serviço:

Galo Índio – Até  11 de novembro.

Temporada: Sábados às 20h e domingo às 19h.

Ingressos: R$40 e R$20.

Classificação indicativa: 14 anos.

Duração: 60 minutos.

Capacidade: 40 lugares.

Vendas – https://www.sympla.com.br/grupoxixdeteatro

Vila Maria Zélia – Rua Mário Costa 13 (Entre as ruas Cachoeira e dos Prazeres) – Belém. Telefone – (11) 2081-4647.

Sobre ArteView

Avatar

Veja Também

Lulu Santos traz o show “PRA SEMPRE” para São Paulo

Dono de clássicos memoráveis, Lulu Santos sobe ao palco do Credicard Hall, em São Paulo, no dia 6 de julho com o …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.