Home / Eventos / Feira do Empreendedorismo Artístico traz grandes nomes da cultura nacional

Feira do Empreendedorismo Artístico traz grandes nomes da cultura nacional

Pioneira no Brasil, a Feira do Empreendedorismo Artístico (FEA) idealizada por Fefa Moreira e com um time de sócios, que conta com Gustavo Bechara, Fernando Araujo, Alessandra Herszkowicz e Isabella Fioravanti, se destaca por reunir, desde 2016, personalidades de relevância no setor cultural para fomentar debates sobre o futuro do mercado. Grandes nomes da cultura e da arte brasileira estarão presentes no evento, que esse ano ocorre em uma versão digital, como Miguel Falabella, Otaviano Costa e Zezé Motta – cada um com sua área específica de atuação, mas todos tendo em comum a paixão pelo “empreender artístico”. O encontro dessas e outras personalidades acontece nos dias 10, 11 e 12 de abril.

“O simples ato de empreender é uma arte. Entender seus caminhos e suas regras é uma questão de sobrevivência para os artistas nos tempos que correm”, relata Miguel Falabella, artista com mais de 35 anos de carreira e que já teve reconhecimento como autor, ator e diretor em várias peças de teatro, novelas, séries de comédias e filmes.

De acordo com a Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), o setor cultural e criativo responde por cerca de 2,64% do PIB nacional e foi um dos mais afetados pela crise global decorrente da COVID-19. Dados da pesquisa “Percepção dos impactos da covid-19 nos setores cultural e criativo do Brasil” mostram que 48,8% dos agentes culturais perderam 100% da sua arrecadação entre maio e julho. Os setores mais afetados com a perda total de receita foram as artes cênicas, feiras e festivais, moda, hip-hop e música.

Diante desse cenário, Zezé Motta enxerga que o caminho é se diversificar cada vez mais, vendo referências, possibilidades e opções para se manter em atividade. “Hoje em dia o ator tem que ser mais que completo, pois além de atuar, cantar e dançar, precisa também saber gerir sua carreira, finanças e projetos. O artista que empreende faz total diferença e é por isso que sempre admirei e aprendi muito com a minha saudosa comadre Marília Pêra, que  atuava, cantava, produzia, dirigia , dentre muitos outros ofícios”, afirma a cantora e atriz.

O principal objetivo da FEA é fortalecer a cultura empreendedora no meio e buscar soluções para a crise provocada pela pandemia de Covid-19. Serão três dias de transmissão e cerca de 15 horas de palestras e painéis, cinco horas por dia, exibidas pelo YouTube

O ator e apresentador Otaviano Costa afirma que a veia do empreendedorismo sempre esteve em sua trajetória. “Desde que eu me entendo por artista, tive em meu DNA uma característica forte de curiosidade, de saber tudo o que me cercava, da criação até a parte comercial. Isso foi muito valioso, tive a oportunidade de aprender com grandes nomes das mais variadas mídias e hoje coloco em prática todo o conhecimento que obtive no momento em que mais estou empreendendo artisticamente”, explica.

A edição deste ano foi viabilizada pelo Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e pelo  Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa através da lei Aldir Blanc (14.017/2020). As inscrições para participar da plateia virtual da Feira do Empreendedorismo Artístico são gratuitas e podem ser feitas pelo site https://feirafea.com.br/.

Sobre a FEA

A FEA (Feira do Empreendedorismo Artístico) é um evento realizado anualmente desde 2016, com o objetivo de unir profissionais da arte para reflexões sobre novas possibilidades para esse setor diversificado e propor soluções para os empreendedores culturais.

Pioneira no Brasil, a Feira tem sua primeira edição virtual em 2021 e é viabilizada  com o apoio da Lei Aldir Blanc. São três dias de programação, palestras individuais e painéis coletivos com grandes produtores, artistas e agentes da arte. Nomes que já participaram do evento em outras edições foram Eduardo Saron (Itaú cultural), Sérgio mamberti (ator) e Odilon Wagner (ator), sendo uma oportunidade de se aproximar da realidade do mercado artístico e compreendê-lo mais. As dificuldades enfrentadas durante a Pandemia e os desafios para se reinventar quando esse contexto for  superado estão entre os temas a serem abordados.

Sobre Padrão do site

Avatar

Veja Também

“Barbaridade só para baixinhos”, teatro e música online em prol de ONG infanto-juvenil

“Barbaridade só para baixinhos“ é uma peça teatral musicada que conta a história de três …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.