Home / Teatro / Eriberto Leão estreia cine-teatro O Astronauta

Eriberto Leão estreia cine-teatro O Astronauta

Ainda na esteira das transformações que a arte vem experimentando desde o início da pandemia, o projeto O ASTRONAUTA chega agora à sua terceira fase: a apresentação da peça em versão on-line.

Na primeira fase, acompanhamos a preparação do astronauta (Eriberto Leão) para esta viagem através de 8 episódios de uma websérie. Na segunda fase, uma minissérie em RV (realidade virtual) com 3 episódios ofereceu uma experiência sensorial de viagem pelo espaço sideral e da movimentação dentro da nave. Agora, na terceira fase, a peça on-line apresenta a viagem propriamente dita. A quarta fase virá em março de 2021, quando o espetáculo será apresentado presencialmente, com público no teatro.

O ASTRONAUTA, em todas as suas etapas, é atravessado pelo cinema. A peça, com roteiro de Eduardo Nunes (diretor do longa “Unicórnio”, com Patricia Pillar e ZéCarlos Machado) e direção de José Luiz Jr. (diretor da série “Oncotô?”, apresentada por Jorge Mautner; e do filme “Antes da coisa toda”, sobre o processo criativo da “Armazém Companhia de Teatro”), investiga essa interseção entre o teatro e o cinema.

Partindo do cinema e caminhando em direção ao teatro, o encontro destas duas linguagens se traduz num trabalho fortemente visual, com o uso de câmeras, sistema Surround e telas de diferentes proporções que dialogam constantemente e em tempo real com o ator.

SINOPSE DA PEÇA

Um astronauta é enviado ao espaço para uma missão solitária. Inicialmente, ele mantém contato diário com a Terra através de um elaborado sistema de comunicação. O objetivo é oferecer uma espécie de reality show em streaming, em que todas as pessoas na Terra podem acompanhar a viagem do astronauta 24 horas por dia. No entanto, conforme a jornada avança, a comunicação com a Terra vai se tornando cada vez mais rarefeita até desaparecer, levando o astronauta a viver uma experiência radical de isolamento completo.

Inicialmente, o astronauta, além de ser acompanhado pelo público na Terra, mantém contato com o comandante da missão (ZéCarlos Machado), sua namorada (Natascha Falcão) e seu pai (Jaime Leibovitch). Com a perda da comunicação, ao final só lhe resta a companhia de Hal (Luana Martau), um computador de bordo com inteligência artificial que se torna sua única interlocutora.

DO QUE ESTAMOS FALANDO

Idealizados pelo diretor teatral José Luiz Jr e desenvolvido em parceria com o ator Eriberto Leão, a peça e todo o projeto se utilizam da experiência do isolamento do astronauta para falar sobre as memórias, os afetos e a relatividade tempo, sobre como o uso das mídias sociais pode afetar as relações humanas. O isolamento vivido pelo personagem também sugere um paralelo com o confinamento vivido em consequência da Covid-19, aproximando o personagem das experiências recentes dos espectadores.

O espaço sideral é utilizado como uma metáfora da condição humana. O astronauta parte para uma viagem de autoconhecimento, saindo da Terra para perceber o mundo de um outro ponto de vista. Ele deixa para trás qualquer contato humano e só pode observar a vida na Terra através das telas de seu computador. E depois, unicamente através da sua memória. Neste tempo dentro na nave, entre vigília e hibernações alternadas, ele vive uma experiência única em relação à passagem relativa do tempo.

A ENCENAÇÃO

A encenação de José Luiz Jr abriga variados recursos técnicos digitais: imagens do espaço serão projetadas em uma grande tela ao fundo do palco, como uma espécie de janela da nave espacial, provocando no espectador a mesma sensação vivida pelo personagem. Duas TVs de 60” de alta definição e uma câmera posicionada no palco oferecerão ao espectador diferentes pontos de vista da cena. Durante o trajeto, o personagem se relaciona com um computador de bordo e com outros personagens através de vídeo. Haverá ainda um sistema Surround 5.1, para uma imersão maior do espectador.

A direção musical é de Ricco Viana; videografismo, realidade virtual e programação visual são dos irmãos Rico e Renato Vilarouca; a direção de arte de Carla Berri e a iluminação de Adriana Ortiz.

Produzido pela CAJA Arquitetura Cultural, O ASTRONAUTA é uma realização da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo do Governo Federal e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado do Rio de Janeiro através da Lei Federal de Incentivo à Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro. Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio master da Enel Distribuição Rio, patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, patrocínio da PetroRio e apoio cultural FIRJAN/SESI através do Edital de Fomento às Artes.

COM A PALAVRA:

Eriberto Leão, ator

Quem não gostaria de estar no espaço, longe de todos os problemas terrenos, por um instante? Longe da persona criada desde que nascemos, para se adaptar a uma sociedade pré-existente há tempos? Longe. Muito longe…

Mas pagaria o preço do isolamento quando o tempo perdesse a si mesmo nos confins do universo? Só um astronauta. E poder viver e compartilhar essa experiência e depois voltar para Terra em segurança? Só a arte, o verdadeiro foguete espacial da nossa mente e sentidos, pode proporcionar.

Fazer parte de uma obra transformadora e revolucionária ao levar para o palco uma ficção científica corrobora a certeza indelével de que a arte salva. E nos eleva, no nosso caso, ao espaço sideral, às estrelas, aos planetas do nosso sistema solar e ao encontro de nós mesmos.”

José Luiz Jr, diretor

A peça fala de afetos ou memórias esquecidas. Quando eu tinha 6 ou 7 anos e passava as férias de verão na praia, acampando com meus pais, todas as noites eu sentava à beira mar e ficava olhando o céu, via estrelas infinitas e eu acreditava fazer parte daquilo tudo. Esse personagem, o astronauta, é um sentimento, talvez um poema ou até mesmo um grito. Quanto mais ele se distância da Terra, mais perto da nossa essência ele chega” 

Eduardo Nunes, dramaturgo

Acho que o que mais me estimula neste projeto é poder dar continuidade à parceria que tenho com José Luiz Jr; é uma parceria que funciona bem, pois no processo ficamos escutando muito um ao outro. E fico feliz também em trabalhar pela primeira vez com o Eriberto Leão, que admiro tanto. Ele é um ator muito intuitivo, ao mesmo tempo em que se prepara muito para o que faz.

E há um outro elemento sedutor no projeto: para mim, a possibilidade de trabalhar com a ficção científica, é algo que aguardo há muito tempo. Este gênero, ao contrário do que muitos pensam, está intimamente ligado ao nosso cotidiano. Pois utiliza o futuro como uma metáfora para questões de hoje. E usando estas analogias conseguimos perceber melhor o nosso próprio presente. É um outro olhar sobre as mesmas questões, e que nos faz perceber melhor o que é realmente importante em nossa vida.” 

FICHA TÉCNICA

DRAMATURGIA: Eduardo Nunes

IDEALIZAÇÃO E DIREÇÃO GERAL: José Luiz Jr.

ATUAÇÃO: Eriberto Leão

ELENCO CONVIDADO (presenças em vídeo e/ou áudio):

Hal, computador de bordo com inteligência artificial / Luana Martau

Comandante / ZéCarlos Machado

Pai / Jaime Leibovitch

Namorada / Natascha Falcão

Sasha (outro astronauta, visto só em imagens da memória) / Joana Abreu

DIREÇÃO MUSICAL: Ricco Viana

VIDEOGRAFISMO, REALIDADE VIRTUAL E PROGRAMAÇÃO VISUAL: Rico e Renato Vilarouca

DIREÇÃO DE ARTE E CENÁRIO: Carla Berri

FIGURINO: Joana Bueno

ILUMINAÇÃO: Adriana Ortiz

FOTOS: Emmanuelle Bernard

DIREÇÃO TÉCNICA E DE PALCO: Marcos Martins

MARKETING DIGITAL: Luciana D’Amato

PRODUÇÃO EXECUTIVA: Flavia Menezes

DIREÇÃO DE PRODUÇÃO: Carla Yared

REALIZAÇÃO: CAJA Arquitetura Cultural

ASSESSORIA DE IMPRENSA: JSPontes Comunicação – João Pontes e Stella Stephany

ESTREIA: dia 03 de dezembro (5ªf), às 20h

LOCAL: programação on-line do Teatro Firjan SESI Centro / RJ

HORÁRIO: sextas às 20h, sábados e domingos às 18h
INGRESSOS: R$ 10,00 (Ingresso Já), R$ 20,00 (meia entrada), R$ 40,00 (inteira), R$ 50,00 (colaborativo)

ONDE COMPRAR: plataforma Sympla (www.sympla.com.br)
DURAÇÃO: 70 min
GÊNERO: ficção científica
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 12 anos
TEMPORADA on-line: até 17 de janeiro de 2021 (para em 20/12 e volta em 08/01)

Sobre Padrão do site

Avatar

Veja Também

Teatro Vivo em Casa apresenta novos espetáculos em 4ª temporada

A Vivo anuncia a 4ª e última temporada do ano do Teatro Vivo em Casa. Serão …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.