Home / Teatro / Débora Falabella e Yara de Novaes reestreiam “Neste Mundo Louco, Nesta Noite Brilhante”
© Joao Caldas Fº

Débora Falabella e Yara de Novaes reestreiam “Neste Mundo Louco, Nesta Noite Brilhante”

Depois do sucesso com Contrações e Love, Love, Love (que ganharam os prêmios Shell, APCA, APTR, Questão de Crítica e Aplauso Brasil), o Grupo 3 de Teatro estreou recentemente, pela 9ª Edição do Prêmio Zé Renato de Teatro, o sexto espetáculo de sua trajetória: Neste Mundo Louco, Nesta Noite Brilhante, o novo texto da conceituada dramaturga Silvia Gomez, indicada ao Prêmio Shell pelo mesmo, tem direção de Gabriel Fontes Paiva e no palco Débora Falabella e Yara de Novaes. A peça estreou no Sesc Consolação, passou pelo Teatro João Caetano e  Sesc Santo André tendo forte repercussão de mídia, público e imprensa e agora realizará uma curta temporada no Teatro Vivo de 29 de janeiro a 13 de fevereiro, às quartas e quintas.


Na trama, enquanto aviões de várias partes do mundo decolam e aterrissam, a vigia do KM 23 de uma rodovia abandonada encontra jogada no asfalto uma garota que delira após ser violentada naquela noite estrelada. 

A cada dez minutos uma mulher é vítima de estupro no Brasil. “Terminei este texto no final do ano passado, mas ele começou a se materializar mesmo em 2015, dia após dia, diante do aumento dos casos de estupro e violência contra a mulher no Brasil, histórias que temos visto tomar as notícias. Acho que a peça é um desabafo, alegoria, uma resposta artística a essa realidade, buscando falar dela em outra camada: escrevo sobre um encontro entre duas mulheres num KM abandonado do Brasil. Uma delas acaba de ser violentada e, no delírio da violência, fala. Busco no delírio um diálogo com a realidade impossível de alcançar. De que sintoma complexo do nosso tempo e do nosso país as estatísticas falam? Não tenho respostas exatas, mas muita perplexidade e perguntas que procuro elaborar na cena absurda. Escrevi pensando no Grupo 3, pois há muito tempo queria criar algo só para eles, que são minha turma de Belo Horizonte, MG, com a qual comecei e troco há mais de 20 anos”, revela a autora Silvia Gomez. 

Com linguagem não realista e poética e humor ácido, o texto discute as relações de dominação e resistência, de conflito e poder, praticadas pela humanidade desde tempos imemoriais. É uma obra ao mesmo tempo política e psicológica, local e universal, escrita por uma das principais dramaturgas brasileiras atuais, que já teve seus trabalhos publicados em sete idiomas.

“Em geral, encontro personagens em situações de limite pessoal, emocional, às vezes físico. Nesse lugar, onde as convenções parecem de repente suspensas, uma espécie de lucidez-delirante – assim mesmo, contraditória – toma corpo nas relações e na fala perplexa. Aquilo que não gostamos de dizer vem à tona, as palavras ficam perigosas e ao mesmo tempo quase engraçadas – há uma espécie de humor instável nascido do impasse”, acrescenta a dramaturga.

“Parte de uma premissa um tanto dura e intricada, a da violência contra a mulher. Mas a dramaturga Silvia Gomez faz de sua peça uma espécie de escudo, de escape, buscando caminhos mais delicados e fantasiosos”. – Maria Luisa Barsanelli (Ilustrada – Folha de São Paulo)

“Gomez se provou mestra em criar metáforas absurdas para as patologias do mundo. Este texto é seu primeiro encenado pelo Grupo 3 de Teatro – Nele, parte do tema da violência contra a mulher para falar sobre o estado de desalento da humanidade contemporânea. O tema é dos mais pesados, mas Gomez encontra na graça do delírio possibilidade de uma comunicação mais efetiva com a plateia”. – Gabriela Mellão (Revista Bravo)

“Uma encenação, em que uma linguagem não realista e  poética, temperada por um humor ácido, é o caminho para o texto discutir as relações de dominação e resistência, de conflito e poder, praticadas desde a humanidade desde tempos imemoriais” – Ubiratam Brasil (Estadão)

“É difícil, ou quase impossível, escrever de maneira cartesiana sobre uma peça de Silvia Gomez. Ela mesma define este seu último trabalho como um delírio e é um pouco nesse estado que devemos assistir ao espetáculo.” – José Cetra (Palco Paulistano)

FICHA TÉCNICA

com Débora Falabella e Yara de Novaes

Texto: Silvia Gomez

Direção: Gabriel Fontes Paiva

Cenografia: André Cortez

Vídeo Cenário: Luiz Duva

Figurino: Fabio Namatame

Iluminação: Gabriel Fontes Paiva e André Prado

Trilha sonora original: Lucas Santtana e Fábio Pinczowisk

Participação especial: Banda La Majas – Mayarí Romero, Lucia Dalence, Lucia Camacho e Isis Alvarado, além do diretor Marvin Montes

Assistentes de direção: André Prado e Ana Paula Lopez

Assistente de Cenário e produção de objetos: Carol Bucek

Assistente de Figurinos: Juliano Lopez

Preparadora Vocal: Ana Luiza

Preparadora e direção de movimento: Ana Paula Lopez

Oficinas: Dione Carlos

Workshops: Maria Thais

Direção de Palco: Diego Dac

Direção técnica e operação de luz e vídeo: André Prado

Design de Som: André Omote

Produção executiva: Cadu Cardoso 

Operação de Som: Moníque Salustiano

Camareiro: Jô Nascimento

Cenotécnicos: Alexandre da Luz Alves e Murilo Alves

Assistentes de produção: Letícia Gonzalez e Bianca Bertolotto

Assistente administrativo: Rogério Prudêncio

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio 

Identidade gráfica: Patrícia Cividanes

Fotos de material gráfico e divulgação: Fábio Audi

Fotos do espetáculo: Sergio Silva e João Caldas

Vídeo do espetáculo: FVFILMES

Gestão de Projeto: Luana Gorayeb

Direção de Produção: Jessica Rodrigues e Victória Martinez

Produção: Contorno Produções e Fontes Realizações

Grupo 3 de Teatro: Débora Falabella, Gabriel Fontes Paiva e Yara de Novaes

Este projeto foi contemplado pela 9 Edição do Prêmio Zé Renato de Teatro para a cidade de São Paulo – Secretaria Municipal de Cultura

Apoios: Teatro Vivo, Lavanderia Dry Clean e Programa Eu Faço Cultura


SERVIÇO

Neste Mundo Louco, Nesta Noite Brilhante

Com Grupo 3 de Teatro

Teatro Vivo – Av. Dr. Chucri Zaidan, 2460 – Morumbi, São Paulo

Temporada: 29 de janeiro a 13 de fevereiro, às quartas e quintas, às 20h

Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$10 (meia-entrada)

Duração: 60 minutos

Classificação: Não recomendado para menores de 16 anos

Sobre Padrão do site

Avatar

Veja Também

Andréa Bassitt laça o livro com texto da peça Alma Despejada pela Giostri Editora

O texto da peça Alma Despejada, escrito por Andréa Bassitt, que está em cartaz no Teatro Folha, ganhou …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.