Notícias de Última Hora
Home / Musicais / Bia Lessa dirige a Barca dos Corações Partidos em ‘Macunaíma – uma rapsódia musical’

Bia Lessa dirige a Barca dos Corações Partidos em ‘Macunaíma – uma rapsódia musical’

Mário de Andrade concebeu ‘Macunaíma’ (1928) como uma rapsódia, ao costurar e recriar fragmentos de histórias, mitos e lendas indígenas. A narrativa épica, com farto uso de linguagem oral, virou uma espécie de símbolo da identidade cultural brasileira desde então. Após enveredar pela obra de Ariano Suassuna no premiado ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, a companhia Barca dos Corações Partidos resolveu se debruçar sobre este clássico modernista em seu novo espetáculo. A produtora Andréa Alves, idealizadora do projeto, fez o convite para Bia Lessa – que acabara de arrebatar plateias com ‘Grande Sertão: Veredas’ – assinar a direção da empreitada. As duas potências artísticas vão se encontrar no palco do Teatro Antunes Filho, no SESC Vila Mariana, a partir de 19 de julho. O projeto tem patrocínio do Banco do Brasil e copatrocínio da Cateno, de Furnas. A realização é do SESC SP.

Além do elenco da Barca, formado por Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Fábio Enriquez, Eduardo Rios, Renato Luciano e Ricca Barros, a encenação terá seis artistas escolhidos por testes (Ângelo Flávio Zuhalê, Hugo Germano, Lana Rhodes, Lívia Feltre, Sofia Teixeira e Zahy Guajajara) e o músico Pedro Aune. O processo criativo durou sete meses, entre concorridas audições, oficinas, encontros, leituras e os ensaios propriamente ditos.

Traço marcante em todos os trabalhos da companhia, a música terá lugar de destaque na montagem, ainda que esteja inserida de maneira bem diferente do habitual. A concepção de Bia Lessa se distancia do musical tradicional e segue um fluxo que a diretora prefere associar à estrutura de uma ópera. Além de canções originais, a Barca musicou alguns trechos da adaptação. A direção musical, assinada mais uma vez por Alfredo Del-Penho e Beto Lemos, contou com a música adicional do duo O Grivo.

O desafio de adaptar o mítico texto para os palcos ficou a cargo da escritora Verônica Stigger, que tem no currículo – além cinco premiados livros e duas incursões pelo teatro – a curadoria de uma exposição fotográfica do antropólogo Eduardo Viveiros de Castro focada na etnologia indígena. A proposta era se manter fiel ao original, mas também transpor suas palavras para o conceito da encenação. Ao longo do período de ensaios, a dramaturgia foi sendo modificada pela encenadora e ganhando novas formas, em um grande processo colaborativo.

Este novo ‘Macunaíma’ nasce da fricção entre duas forças teatrais. De um lado, Bia Lessa, renomada encenadora surgida nos anos 80 cujo hiato de uma década fora dos palcos foi rompido com o estrondoso sucesso de ‘Grande Sertão: Veredas’, vencedor dos prêmios APCA (Direção), Shell (Direção e Ator), Bravo (Melhor Espetáculo) e Faz Diferença (Bia Lessa). Do outro, a Barca dos Corações Partidos, grupo que se reuniu em 2012 e deu grande passo em sua trajetória ao levar para a cena mais um grande ícone da cultura brasileira, Ariano Suassuna, inspiração para ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, que recebeu os prêmios APCA (Melhor Espetáculo), Cesgranrio (Espetáculo, Direção Musical, Ator), Shell (Música, Autor) e APTR (Música, Autor, Ator Coadjuvante, Figurino). O álbum com as canções do espetáculo, gravado em estúdio, foi indicado ao Prêmio da Música Brasileira.

Andréa Alves, idealizadora do projeto e produtora da Barca desde a fundação, pensou em promover este encontro justamente para trazer uma nova linguagem e um singular processo de criação para a companhia. Bia Lessa encontrou no grupo a disponibilidade que precisava para encenar uma obra tão complexa e distante do realismo:

‘O ‘Grande Sertão’ é um texto reflexivo, a palavra era muito importante, tinha grandes monólogos. Agora, com o ‘Macunaíma’, a ação toma conta de tudo. Em cada parágrafo, Mário de Andrade descreve mil eventos, é uma grande colcha de retalhos, um painel’, analisa a diretora, ressaltando que a atualidade, o frescor e a capacidade de provocação da escrita modernista do autor permanecem até hoje, mais de noventa anos após a sua publicação.

‘Macunaíma’ foi escrito a partir do estudo de mitos e lendas dos índios taulipang, arecuná e macuchi, no extremo Norte do Brasil, recolhidos pelo etnólogo alemão Theodor Koch-Grünberg e publicados em 1924 em ‘De Roraima até o Orenoco’. Ao abandonar a estrutura realista, Mário de Andrade transita com seu protagonista por vários estados do país e constrói, de maneira simbólica, um retrato da formação cultural brasileira.

Assim como no livro, a peça retrata a saga de Macunaíma desde o nascimento, em uma tribo na Amazônia, e passa por momentos definitivos em sua vida: a relação com a família, a paixão e a ida ao Sudeste em busca do Muiraquitã, espécie de amuleto que recebeu da amada. Entre encontros com deuses, mitos e monstros, o personagem passa por aventuras e transformações até retornar à tribo natal. Conhecido pelo epíteto de ‘herói sem nenhum caráter’, Macunaíma não seria um personagem mal caráter, mas alguém sem caráter definido, com atitudes inesperadas, cuja maioria das ações é movida por um certo prazer mundano.

FICHA TÉCNICA

Macunaíma – Uma Rapsódia Musical

De Mário de Andrade 
Encenação, Cenário e Escritura Cênica: Bia Lessa
Adaptação: Verônica Stigger
Assessoria Teórica: Flora Sussekind
Direção musical: Alfredo Del-Penho e Beto Lemos 
Música adicional: O Grivo
Design de som: Gabriel D’Angelo e Felipe Malta 
Design de luz: Paulo Pederneiras e Pedro Pederneiras
Figurino: Sylvie Leblanc, Maira Himmelstein e Bia Rivato
Idealização e Direção de Produção: Andréa Alves

Com a Cia. Barca dos Corações Partidos: Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Fábio Enriquez, Renato Luciano, Ricca Barros.

E os artistas convidados: Ângelo Flávio Zuhalê, Hugo Germano, Lana Rhodes, Lívia Feltre, Pedro Aune, Sofia Teixeira e Zahy Guajajara

Voz (em off) – Maria Bethânia e Arnaldo Antunes

Colaboradores

Silviano Santiago, Marilia Martins, Inês Cardoso, Eduardo Jardim, Pedro Duarte, Renato Sztutman ,  Dany Roland, Marcelo Cipis

Citações e Inspirações

Antunes Filho, Augusto de Campos, Caetano Veloso, Cildo Meireles, Décio Pignatari, Franklin Cassaro, Gilberto Gil, Glauco Mattoso, Grande Otelo, Haroldo de Campos, Helio Oiticica, Oswald de Andrade, João Guimaraes Rosa, Joaquim Pedro, José Celso Martines Correa, Ligia Clark, Lygia Pape, Novos Baianos, Oswald de Andrade, Padre Anchieta, Paulo José, Pero de Magalhães Gândavo, Pina Bausch, Rita Lee, Tunga

Diretora assistente e preparadora corporal: Amália Lima
Assistentes de direção: Pedro Henrique Müller e Daniel Passi
Assistente de direção musical: Pedro Aune
Assistente de iluminação: Rodrigo Maciel

Assistentes de Cenografia: Raphael Baêta e Tuca Benvenutti
Designer de som associado: Rodrigo Oliveira
Fisioterapeuta: Núbia Barbosa

Adereços de figurino: Andy Lopes e Markoz Vieira
Adereços de cenografia: Derô Martín e Eric Fuly
Assistentes de adereços de cenografia: Elísio Moura Barros e Renato Sousa
Estruturas Infláveis: João Mancha 
Cenotécnico: André Salles 
Costureira: Rosário Soares

Produção

Coordenação de Produção: Leila Maria Moreno 
Produção Executiva: Janaína Santos e Raphael Baêta 
Assistente de Produção: Laura Picorelli e Priscila Cardoso 
Produção de arte: Tuca Benvenutti 
Produção Local: Rubim Produções

Técnica

Diretor de palco: Helder Bezerra
Contrarregra: Carlos Eduardo Carvalho 
Camareira: Paty Ripoll 
Operador de luz: Rodrigo Maciel
Operador de som: Felipe Malta 
Técnico de monitor, microfonista e coordenador de RF: Rodrigo Oliveira

Comunicação

Fotografias: Silvana Marques 
Programação visual: Beto Martins
Vídeos: Ana Rezende
Edição entrevistas: Elisa Mendes
Assessoria de Comunicação: Factoria Comunicação 

Equipe Sarau

Direção Geral : Andréa Alves 
Coordenação de Produção: Leila Maria Moreno e Vivi Borges 
Produção de Planejamento: Ana Caroline Araújo, Bruno Barros e Mariana Sobreira 
Produção Executiva: Rafael Lydio e Felipe Valle 
Produção de Comunicação: Marcelo Alves, Flávia Garcia e Daniel Barboza 
Prestação de Contas: Débora Giangiarulo e Carolina Villas-Boas 
Coordenação administrativo-Financeira: Luciana Verde 
Assistente Administrativo-financeira: Letícia Copaja 
Apoio de Produção e Office Boy: Leandro Barbalho 
Estagiário: César Augusto

Agradecimento especial ao grande artista Cacá Carvalho que nos inspirou a revisitar essa obra.

SERVIÇO

SESC VILA MARIANA – Teatro Antunes Filho

De 19 de julho a 15 de agosto
Quarta às 15h,

Quinta a sábado às 20h

Domingo às 18h

Classificação etária: 18 anos
Duração: 180 minutos

Local: Teatro Antunes Filho – SESC Vila Mariana – R. Pelotas, 141 – Vila Mariana – Capacidade: 611 lugares
Ingressos: R$ 50,00 (inteira) | R$ 25,00 (meia entrada) | R$15,00 (associados SESC)

Sobre ArteView

Avatar

Veja Também

Chaves – O Musical: confira fotos de cenas em coletiva de imprensa

Chaves – Um Tributo Musical, que homenageará o gênio da comédia Roberto Gómez Bolaños e todo o …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.