Notícias de Última Hora
Home / Rio de Janeiro / Amaro Freitas, pianista pernambucano, e a cantora conterrânea Isadora Melo no show “Quadrilosseres” no Manouche

Amaro Freitas, pianista pernambucano, e a cantora conterrânea Isadora Melo no show “Quadrilosseres” no Manouche

O pianista pernambucano Amaro Freitas, vencedor do Prêmio MIMO Instrumental de 2016, volta ao palco do Manoucheacompanhado da cantora e atriz conterrânea Isadora Melo com o show Quadrilosseres”, uma espécie de baião nervoso, que dá nome ao duo e à apresentação e é o mote e argumento principal do show: a conexão entre o piano e o corpo de Amaro com o canto e o corpo de Isadora, os quatro elementos que vibram  na mesma frequência.

Revelação do jazz brasileiro por fundir o gênero a ritmos regionais, como frevo e maracatu, Amaro é considerado a revelação do jazz tupiniquim e seus dois álbuns lançados “Sangue Negro” (2016) e “Rasif” (2018), figuraram entre os principais lançamentos do ano. “É um fenômeno. Tudo é novo. Surpreende porque não é parecido com nada que se conhece no jazz brasileiro. Autodidata, ele recebeu influências tão inusitadas, como de Chick Corea e Gonzalo Rubalcaba, que ele ouviu antes de conhecer o jazz de Thelonious Monk, John Coltrane ou de Miles Davis”, comentou sobre Amaro o jornalista especializado em jazz, Flavio de Mattos, em seu blog no Globo online.

Amaro já sabia de Isadora pelos amigos, que diziam que ela tinha um canto incrível, mas a conheceu melhor no Nova Cena Pernambucana,  projeto em que se apresentaram com outros oito artistas, no Rio2c e no Festival de Inverno de Garanhuns. Dessa proximidade surgiu o interesse de criar um duo e criaram um repertório com algumas pautas que acharam importantes para os dias de hoje. A poesia “Abre Alas”, de Luna Vitrolira, por exemplo, discursa sobre ser mulher negra numa sociedade racista e machista, como uma forma de provocar a reflexão sobre a importância dos movimentos negros em nosso contexto atual; duas músicas de cantoras latinas, “Barco Quieto”, de Maria Helena Walsh, e “Fina Estampa”, de Chabuca Granda, para expressar a necessidade de fortalecimento do elo entre os países que formam o nosso continente, pois, embora sejamos culturalmente congêneres, existe um distanciamento que nos impede de reconhecer nossos países vizinhos como próximos de fato. “Conseguiram Parabéns” uma canção de Manduca, um artista do Amazonas, norte do país, porque sabem da dificuldade de acessar essa região e de manter essa conexão, mesmo que eles, nordestinos, estejam  ao lado. E incluíram, sobretudo, músicas autorais e atuais da cena pernambucana, como canções de Juliano Holanda e Zé Manuel.

Durante o show Amaro tem um momento solo de piano instrumental onde toca composições suas, do novo disco “Rasif”, além da que criaram especificamente para esse show,“Quadrilosseres”. É o instante em que Isadora improvisa junto com Amaro.

Com mais de 15 anos de carreira, Isadora lançou seu primeiro disco, “Vestuário” em 2016, uma espécie de continuação aprofundada do EP Isadora Melo (2014). Filha do cantor Karlson Correia e da atriz Sônia Cristina, transformou a infância permeada por música numa relação afetiva com sua ferramenta de trabalho, a voz. No ano passado, lançou a série“Réstia”, de quatro videoclipes no Youtube –  um clipe por dia, de 17 a 20 de abril – com cenário e melodias mais cruas, arranjos trabalhados com Rafael Marques, com guitarra baiana, afinada igual bandolim, e cada música recebeu mais atenção à poesia, à letra.  São elas “Valsa Verde” (Capiba), “Boomerang” (Juliano Holanda e PC Silva), “Partilha” e Para os Prédios” (ambas de Juliano Holanda) e “Mande um Sinal” (Cesar Mendes e Ronaldo Bastos). Isadora também participou da série “Amorteamo’ (TV Globo, 2015), direção de Flávia Lacerda, e em 2016 integrou o espetáculo musical ‘Gabriela’, adaptação e direção de João Falcão, que também escreveu e dirigiu o espetáculo musical ‘Dorinha, Meu Amor’, especialmente feito para Isadora, e integra o coletivo Reverbo.

Show: – Amaro Freitas com Isadora Melo no show “Quadrilosseres”

Local: Manouche/Casa Camolese (Rua Jardim Botânico, 983, Jardim Botânico, Tel: 3514-8200)

Data: 15/01, terça-feira, a partir das 21h

Ingressos: R$ 60,00 (inteira), R$ 40,00 (com 1 kg de alimento não perecível) e R$ 30,00 (meia) www.eventim.com.br

Sobre ArteView

Avatar

Veja Também

Ney Matogrosso no Tom Brasil

Depois do sucesso absoluto da crítica e do público, que lotou todas as primeiras apresentações …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.